Datas comemorativas e a oportunidade de uma boa propaganda

As peças criadas no dia em que se comemora uma data, seja ela profissional, histórica ou celebrações como Natal, Dia das Crianças (datas criadas com fins comerciais), buscam não só homenagear aquele dia, mas passar uma mensagem institucional ou incentivar a venda de produtos e serviços para aquela data, ainda que a mensagem seja travestida de linguagem emocional.

Uma das principais marcas que exploram essas datas é a Coca Cola. Seus anúncios e ações para o Natal vêm de longa data. As primeiras artes que ligam a Coca Cola ao Natal trazem a marca da empresa contextualizada com as cores do natal em publicações a partir de 1904.

Já este anúncio abaixo, veiculado em 1932 no jornal Ladie´s Home, mostra a Coca Cola já inserida no universo e espírito natalino, onde uma criança oferece um refrigerante para que o Papai Noel descanse na casa dele.

Datas como Dia das Mães ou Dia dos Pais também tem anúncios sempre criados com alto teor emocional, como esse comercial da empresa colombiana ETB:

 

 

Eventos esportivos ou promocionais também são explorados por marcas, sempre fazendo ligação com o tema, usando um contexto inteligente para que se sobressaia na mente do consumidor, como o que a Procter & Gamble fez nas Olimpíadas de Londres, homenageando  o dia das mães (agentes principais no sucesso dos filhos atletas) e a chegada dos Jogos Olímpicos de Londres:

 

 

A principal fórmula para ter sucesso na comunicação dessas datas é uma boa criação, direção de arte, roteiro (no caso de VT)e uso de linguagem ou figura de linguagem adequada para não só atingir  o consumidor final do seu cliente, mas surpreendê-lo, fazendo com que a propaganda fique para sempre na sua memória.

Anúncios

Dia dos namorados, mas a farra é dos solteiros

Hoje comemora-se o Dia dos Namorados. Várias campanhas e ações para lembrar os casais de presentearem-se com roupas, perfumes, jóias, gadgets e etc. Mas ao darmos uma olhada nas redes sociais, além da reclamação de muitas pessoas que estão #forever alone nesse dia, o que espanta é uma série de aplicativos para os solteiros.


Sim, você entendeu direito, para os solteiros. O que mais chamou atenção e tem sido compartilhado é o aplicativo para IOS do Guaraná Antarctica que ajuda a não ligar para a ex namorada. O aplicativo se chama “Ex Lover Blocker” , basta que você baixe no iTunes Store. e escolhas os amigos que entrarão no circuito para não permitir sua “bobeada”.

Veja o vídeo sobre o aplicativo:

Outro aplicativo para solteiros, é do Flores Online. Você entra na fan page e é direcionado para escolher algumas amigas solteiras e mandar um kit. É como uma cantada virtual com flores. Se der certo, bom para você.  Veja imagem:


Outra marca que dá uma ajuda ao solteiro é o Chocolate M&M´s. Através de um infográfico, ele sugere alternativas para quem está só:

Mas as grandes marcas também investem no clima de romance. Veja por exemplo a ação da Smirnoff. O apaixonado ou apaixonada ganha um single da Madonna. Basta adicionar o código da embalagem na aba da promoção:


E tem também essa imagem da Coca Cola que está circulando pelas timelines:


Fica o nosso recado. Amor e boa comunicação andam lado a lado. Não se esqueça.

Qualquer que seja sua situação, solteiro, enrolado, namorando, noivando, casado… nós da Chilli360 desejamos muito amor e muita comunicação. Feliz dia dos enamorados!

Marketing adaptativo


O jornal Meio & Mensagem desta semana traz um artigo sobre Marketing Adaptativo, parceria de Norm Johnston e Antony Young, colunistas do Advertisign Age.

No artigo eles falam que empresas como Coca Cola, Nike, estão desenvolvendo produtos para atender as necessidades dos clientes. É como se fosse uma personalização de produtos. Um exemplo é o Nike ID, que adapta e monitora a corrida do seu dono.

A ação da KLM (meet & seat) que permite que as pessoas “escolham” quem sentará ao seu lado linkando seu voo no Facebook e LinkedIn também é um exemplo de marketing adaptativo. O nome foi cunhado pela agência Mindshare onde Antony Young trabalha, mas poderíamos quase denominar de marketing on demand, à escolha do consumidor.

Todas essas mudanças que temos visto na comunicação e no marketing, que coloca o consumidor no centro do planejamento, faz com que empresas e agências que estão em sintonia com o mercado atentem-se ao objetivo de mercado desta época que estamos vivendo: o poder está nas mãos do consumidor.  O foco é ele e não o nosso produto ou serviço. Temos que criar uma comunicação que o atinja, impacte e fale diretamente com sua necessidade pessoal.

As grandes marcas saem na frente pois tem um time de profissionais das mais diversas áreas em seu staff e fazem pesquisas constantes, tanto de tendência como comportamento do consumidor. Hoje em dia, os profissionais de comunicação e marketing precisam beber na fonte da antropologia, biologia, filosofia e psicologia para estarem atentos à comunicação de resultado. Não se trata só de vender, mas de entender o novo consumidor para atingir seu objetivo de venda.

Sua empresa está de olho nessa nova forma de fazer comunicação de marca? Fale com a Chilli360. A gente está de olhos bem abertos.

Melhor discutir o óbvio

Apesar de poucos tempo do surgimento de ferramentas e plataformas ( o computador tem 30 anos, a internet 21, as redes sociais de 10 à cinco anos), a união da tecnologia com a comunicação veio com força total, recentemente. A importânciada internet na vida de boa parte da população começa com a possibilidade de novas contratações, novas formas de obter conhecimento, passando pela facilidade de ter seu talento destacado, ganhar dinheiro com esse talento  e até ser despedido pela forma com que age nas redes.

Temos visto poucas agências na comunicação 2.0, assim como muitas tentativas, erros e acertos na chamada comunicação digital. Mas no nosso ponto de vista é melhor errar e aprender com o erro do que ficar parado no tempo e na comunicação do século passado.

Por que com toda essa mudança do comportamento do consumidor, influenciando até em suas formas de consumo, não há uma discussão mais ampla do que podemos fazer comunicadologicamente para melhorar e aprimorar essa comunicação?

Parece que há um pré conceito sobre essas novas formas de se comunicar, assim como o desconhecimento de como podemos atuar nesse novo mercado. Mídias sociais é nicho. É uma mistura de marketing direto, relacionamento com o consumidor, relações públicas, ouvidoria e gestão de produto.

A diferença principal é o consumidor. Nunca a comunicação esteve tão centrada e focada em ouvir o que o consumidor tem a falar e criar diálogos com ele.  O tempo nesta comunicação é rápido, instantâneo, plural. Já que ele pode iniciar conversas, positivas e negativas, sobre a marca 24 horas por dia.

A postura que temos visto de muitas agências,  principais influenciadores e atores na mudança de cliente e mercado para a nova comunicação é conversar sobre o óbvio ou falar do seu umbigo. Nunca é divulgar ou envolver-se nessa nova forma de criar comunicação com o consumidor.

Rende muito mais falar sobre o óbvio ou publicar fatos de humor, não é?